PROGRAMAÇÃO

Oficinas Vila Verão

Teatro Vila Velha abre as inscrições para a 20ª edição das Oficinas Vila Verão mantendo a proposta de oportunizar para o público interessado uma programação efervescente de vivências artísticas em pleno janeiro. As atividades são voltadas a um público diversificado de crianças a pessoas da terceira idade; de artistas profissionais a pessoas que procuram um primeiro contato com as artes.

 

Para Chica Carelli que divide com Lia e Ella Nascimento a coordenação da edição 2018 do Vila Verão, “as oficinas do Teatro Vila Velha são uma oportunidade rara para quem quer chegar mais próximo do mundo profissional das artes, seja você uma criança ou um adulto. Para diversão, descobrimentos ou iniciar uma carreira artística. Para os profissionais, oferecemos oficinas específicas. A ideia é atender a todos com o melhor da arte”.

Conheça a programação completa e os profisssionais das Oficinas Vila Verão de Teatro, Dança, Circo, Canto, Bordado e muito mais em:

 

http://blogdovila.blogspot.com.br/2017/11/oficinas-vila-verao.html

 

Faça a sua inscrição em

www.sympla.com.br/oficinasvilaverao

 

JANGO: UMA TRAGEDYA

Marcio Meirelles estreia “JANGO: UMA TRAGEDYA” – única peça teatral de Glauber Rocha – no Teatro Vila Velha, mesmo palco em que o cineasta baiano, em 2010, foi anistiado. O texto revive o ex-presidente João Goulart, exilado após o Golpe Militar, e instala na cena um debate contemporâneo sobre o cenário político atual. 

Tropicalista, carnavalesca, irônica, mágica e polifônica, a montagem de Márcio Meirelles é um épico musical, em que a coreografia de Cristina Castro e a trilha sonora original e identidade visual do Tropical Selvagem (Ronei Jorge/João Meirelles e  Lia Cunha/Iansã Negrão) se juntam para criar um painel de encontros, trânsitos, memórias e entraves ideológicos do projeto político de João Goulart, conforme escrito por Glauber Rocha.

Jango teve o mandato cassado, pelo golpe que estabeleceu a ditadura militar no Brasil por duas décadas, por ter proposto reformas que beneficiavam o povo e a economia brasileirae ameaçavam e contrariavam interesses das elites nacionais e internacionais. Permaneceu exilado até a morte. Que é encenada premonitoriamente pela peça escrita menos de um mês antes.

As suas ideias, no texto, confundem-se com o pensamento do próprio Glauber, que o conheceu em 1972, durante o exílio, e com quem compartilhava uma admiração recíproca. JANGO: UMA TRAGEDYA” reflete a história, mas segue o fluxo dos movimentos e diversas questões do agora.