Espetáculos do Bando de Teatro Olodum



FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Áfricas
2007

Através de danças, cores e músicas o Bando de Teatro Olodum embarca na atmosfera mágica e lúdica das lendas e contos da cultura africana para encenar as narrativas que ultrapassam séculos e continentes no primeiro espetáculo infantil nos 17 anos de história do grupo. O objetivo é despertar em crianças e adultos o desejo de conhecer mais sobre este continente complexo e diverso que tanto contribuiu para a cultura brasileira, em especial, para o povo baiano. A montagem conta com o patrocínio da Fundação Cultural Palmares.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Chica Carelli e Bando de Teatro Olodum

Direção
Chica Carelli

Assistente
Fábio Espírito Santo

Coreografia
Zebrinha

Assistente de Coreografia
Robson Mauro

Música e Direção Musical
Jarbas Bittencourt

Oficina de confecção de Xequerê ministrada por
Daniel Souza para o Bando de Teatro Olodum

Oficina de Canto
Marcelo Jardim

Cenário
(cenário originalmente criado para o espetáculo Xirê-Erê pra Toda Vida - 1996)
Hélio Eichbauer

Equipe de cenário
Gerimias Mendes
Sérgio Laurentino
Telma Souza

Iluminação
Fábio Espírito Santo
Rivaldo Rio

Engenheiro de Som
Maurício Roque

Figurino e adereços
Zuarte Jr.

Assistente de Figurino e Cofecção de adereços
Júlio Maya

Assistente de adereços
Dailton Silva
Luiz Santana

Costureiras
Bernadete Cruz
Rosangela Gomes
Ruth Brito Cunha
Saraí Santos

Para a confecção dos adereços foi realizada uma oficina ministrada por
Zuarte Jr.
Júlio Maya

Participaram da oficina de adereços
Arlete Dias
Clésia Nogueira
Dailton Silva
Elane Nascimento
Jamile Alves
Luana Ribeiro
Maiana Santana
Marivalda Ribeiro
Nália Cristina
Nine
Rangel Santos
Tainá Fernandes
Telma Souza

Elenco
Arlete Dias (Griot Faísca e mãe Zezé)
Auristela Sá (Adrianinha, Suniguê, Calimba e balafon)
Cássia Valle (Miminha, Griot e atabaque)
Cell Dantas (Bugaê e baixo elétrico)
Ednaldo Muniz (duo do lago, narrador, berimbau e djum djum)
Elane Nascimento (Paula, Yassedi, narradora e balafon)
Érico Brás (Seu Muzenza, Abdu. cavaquinho, tambor falante e percussão)
Fábio Santana (Seu Albino, caçador, Calimba, djembê, bongô e guitarra balafon)
Gerimias Mendes (Griot e estivador Agnaldo)
Jamile ALves (Tina, narradora e djum djum)
Jorge Washington (Seu Flecha e Chefe da Tribo)
Leno Sacramento (Betinho, Caçador, Dogdogum O Sapo, narrador e Balafon)
Ridson Reis (Rodrigo, calimba, conga e Tambor Falante)
Robson Mauro (O Cego Alfaia, Su "A Aranha Macho" e alfaia "instrumento de percussão)
Sérgio Laurentino (Estivador Muvú, O feiticeiro de dia e de noite, narrador)
Telma Souza (Fia, Narradora, calimba e baixo elétrico)
Valdinéia Soriano (Lica, Griot "kali" e Tambor Falante)

Músicos
Maurício Lourenço (cavaquinho e baixo elétrico)
Nine (Tetênco "estivador", calimba, djum djum, djembê, balafon, congas, bongô e darbuka)

Projeto gráfico
Luciano Aquino

Programa
Cássia Valle
Chica Carelli
Patrícia fox
com a colaboração de
Auristela Sá
Érico Brás
Merry Batista
Valdinéia Soriano

oficina com as crianças para a confecção de desenhos para o programa ministrada por
Hamilton Filho
Merry Batista

Participaram da oficina de desenhos
Beatriz Macedo
Bruna Macedo
Denise Santana Costa
Diogo dos Santos
Joyce dos Santos
Igor Menezes
Laila Menezes
Pablo Maia Alves
Quele dos Santos
Rafaela Barbedo
Thales Leal Alves
Thayná Leal Alves
Thayse Leal Alves
Thawan Leal Alves
Walissom dos Santos
Yasmin dos Anjos

Fotos
João Meirelles
Márcio Lima

Divulgação
André Luis Santana

Direção de Produção
Chica Carelli

Equipe de Produção
Auristela Sá
Èrico Brás
Fábio Santana
Valdinéia Soriano

Realização
Bando de Teatro Olodum
Teatro Vila Velha


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Sonho de uma noite de verão
2006

O Bando de Teatro Olodum põe pimenta baiana no clássico de Shakespeare, conferindo toques da cultura negra à divertida história de encontros e desencontros amorosos entre humanos e fadas que se aventuram por um bosque às vésperas de um casamento da nobreza. Dirigida por Marcio Meirelles, responsável pelo jeito sem-vergonha em cena, a peça traz o texto traduzido por Bárbara Heliodora e direção musical de Jarbas Bittencourt, que foi buscar nos ritmos populares a identidade festiva do verão da Bahia. Depois da curta temporada em Salvador, o Sonho do Bando parte para a Alemanha em novembro, através do programa Copa da Cultura, promovido pelo Ministério da Cultura brasileiro.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
William Shakespeare

Tradução
Bárbara Heliodora

Direção
Marcio Meirelles

Coreografia
Zebrinha

Assistente de coreografia
Robson Mauro

Música e Direção Musical
Jarbas Bittencourt

Arranjos
Jarbas Bittencourt
com a colaboração de
Cell Dantas
Érico Brás
João Meirelles
Nine
e elenco

Preparação de Canto
Marcelo Jardim

Desenho de som
Filipe Pires

Técnico de som assistente
Maurício Roque

Montagem e operação de som
Equipe técnica do Teatro Vila Velha

Cenário
Miniusina de criação

Equipe de montagem de cenário
Gerimias Mendes
S. L. Laurentino
Telma Souza
Grupo Técnico do Teatro Vila Velha

Iluminação
Fábio Espírito Santo
Rivaldo Rio

Montagem e Operação de Luz
Grupo Técnico do Teatro Vila Velha

Conceito do Figurino
Marcio Meirelles

Produção de figurino e maquiagem
Luiz Santana

Figurino da Breve cena de tédio sobre Píramo e Tisbe
Zuarte Jr.

Confecção da malha laminada
Zoíla Barata

Confecção de adereços de Píramo e Tisbe
Júlio Maya

Confecção de adereços
Dailton Silva

Costureiras
Bernadete Cruz
Rosângela Gomes
Ruth Brito
Saraí Santos

Equipe de Figurino do Bando
Clésia Nogueira
Elane Nascimento

Estagiárias de figurino
Vanessa Mariano
Vanja Carvalho

Projeto gráfico
Marcio Meirelles

Fotos
Márcio Lima

Revisão de texto
Malu Rezende

Divulgação
André Luis Santana

Direção de produção
Chica Carelli

Equipe de produção
Auristela Sá
Fábio Santana
Jorge Washington
Valdinéia Soriano

Equipe de apoio à produção
Cell Dantas
Dailton Silva
Érico Brás

Realização
Bando de Teatro Olodum
Teatro Vila Velha

Elenco
Auristela Sá (Titânia/Hipólita ou Fada)
Clésia Nogueira (Fada e percussão)
Ednaldo Muniz (Sanfona/Tisbe e percussão)
Elane Nascimento (Hérmia e vocal)
Érico Brás (Teseu/Oberon, percussão e cavaquinho)
Fábio Santana (Demétrio e percussão)
Gerimias Mendes (Justinho/Leão)
Jamile Alves (Helena e vocal)
Jorge Washington (Bobina/Píramo)
Leno Sacramento (Lisandro, teclado e percussão)
Merry Batista (Fada)
Rejane Maia (Fada)
S. L. Laurentino (Egeu, Oberon e percussão)
Telma Souza (Fada, percussão e cavaquinho)
Valdinéia Soriano (Titânia/Hipólita ou Fada)

Atores Convidados
AC COsta (Bicudo/Muro)
Cell Dantas (Fominha/Lua, cavaquinho e baixo elétrico)
Dailton Silva (Puck, baixo elétrico e percussão)
Inácio D'eus (Quina/Prólogo)
Ridson Reis (Puck e percussão)
Robson Mauro (Filostrato, Oberon e percussão)
Roquildes Júnior (Puck, percussão e cavaquinho

Músicos
João Meirelles (guitarra e cavaquinho)
Nine (percussão)


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Auto-Retrato aos 40
2004


Perto de se tornar um quadragenário, o Vila estréia neste sábado, um super espetáculo com cinco autores e 77 intérpretes para comemorar seu aniversário. No elenco, o Bando do Teatro Olodum, Viladança, a Cia. Novos Novos e Vilavox (residentes do Teatro), além de Chica Carelli, Marísia Mota, Fernando Fulco, e convidados como Anita Bueno, Neide Moura, Iara Colina e Viviane Laerte. A montagem conta a trajetória do Teatro, fundado em 1964, até hoje. O texto, criado com base nos escritos do dramaturgo João Augusto e em documentos acumulados nesses 40 anos, além de contar a história do Teatro Vila Velha, mostra um pouco contexto cultural que envolve esta trajetória.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

texto
cacilda povoas
fábio espírito santo
gil vicente tavares
gordo neto
marcio meirelles
a partir de cartas, documentos e matérias de jornal do arquivo do teatro vila velha

pesquisa e organização do arquivo do teatro vila velha
fernando fulco
marcio meirelles
vinício de oliveira oliveira

direção
chica carelli
cristina castro
débora landim
gordo neto
jarbas bittencourt
marcio meirelles

assistência de direção
iara colina

assistência de direção musical
dailton de andrade

assistente de coreografia
nara couto

iluminação
everaldo belmiro
fábio espírito santo
rivaldo rio

montagem e operação de luz
grupo técnico do teatro vila velha

engenharia e operação de som
maurício roque

figurino
marcio meirelles

confecção de figurino
eliana santana
rosângela gomes
sarai santos

estampagem do figurino
ednaldo muniz

assessoria de imprensa
beto mettig
joceval santana
juliana protásio

fotos
márcio lima

elenco
bando de teatro olodum:
alessandro barreto
auristela sá
cássia valle
chica carelli
clésia nogueira
edgar sacramento
ednaldo muniz
elaine nascimento
érico brás
fábio santana
fernando araújo
gerimias mendes
inaiara ferreira
iracema ferreira
jorge washington
leno sacramento
marcio neri
merry batista
nelson filho
rejane maia
s. l. laurentino
tatiania santana
telma souza
valdineia soriano
cia novos novos:
adrielle costa
chaiende santos
elaine adorno
felipe gonzalez
gleiciane cardoso
jamile menezes
joanna trindade
joão victor
leo costa
malena bastos
marcos alexandre
pámela campos
paula lima
pedro trindade
raíssa fernandes
rosa abreu
tarsila costa lima
vanessa carvalho
vera lucia
victor porfírio
cia teatro dos novos:
alice stefania
anita bueno
fernando fulco
hector briones
leonardo suzart azevedo
marcia andrade
maria rosa espinheira
mariana freire
marísia motta
rui manthur
viviane laerte
viladança:
barbara barbará
danilo bracchi
janahina santos
jéferson massa (estagiário)
leandro de oliveira
sérgio diaz
vilavox:
cell dantas
cláudia vasconcelos
cláudio machado
glauber santos
jacyan castilho
márcia lima
mariana silva
roberto brito

músicos
jarbas bittencourt
joão meirelles
saulo gama

patrocínio
bando de teatro olodum
cia novos novos
cia teatro dos novos
viladança
vilavox
braskem
fundação cultural do estado da bahia
eurofort

realização
teatro vila velha


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

O Muro
2004


O MURO foi escrito a partir das duas oficinas de dramaturgia ministradas pelo Royal Court Theatre no Teatro Vila Velha. Essas oficinas foram realizadas com o apoio da Escola de Teatro da UFBA e do British Council. A partir da primeira oficina, realizaada em 2001 e ministrada por Carl Miller e Elyse Dogson, escrevi a primeira história, a merenda.

Nessa história, parti de um episódio relatado por Gisela Tapioca. Ela me contou que numa escola pública, vizinha a um lixão da cidade, os alunos costumavam passar merenda escolar, por cima do muro, para os familiares. A solução encontrada pela diretoria foi aumentar o muro. Em função de irregularidades nessa obra, o muro acabou por desabar.

Tudo mais eu inventei, pouco conheço dos personagens reais, dessa história real. Mas ela me pareceu emblemática, me fez pensar na situação de miséria a que chegaram grandes fatias da população, não só na minha cidades. Há levas e levas de excluídos em todo o mundo que vivem do lixo, das sobras dos poucos privilegiados, vivem a margem da estrutura social, subsistindo com aquilo que os privilegiados jogam fora.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
cacilda povoas

Encenação
marcio meirelles

Música
ivan huol

Coreografia
zebrinha

Preparação de corpo
zebrinha
rejane maia

Percussionista nas aulas
andré
fernando araújo

Cenário
marcio meirelles

Grupo de cenário
alessandro barreto
ednaldo muniz
fábio santana
gerimias mendes
jamile alves
s. l. laurentino
telma souza
robson oliveira

Luz
rivaldo rio
marcio meirelles

Montagem e operação de luz
equipe do teatro vila velha

Figurino
marcio meirelles

Colaboração na criação e execução do figurino
eliana negreiro
rosangela gomes
wládia góes
sarai santos

Oficina de letramento
gisela tapioca

Fala vila - a fome e os muros
relaizado no cabaré dos novos, em 16/03/2004

Expositores
gey espinheira
maria do carmo soares de freitas
sandra regina

Debatedora
vilma reis

Moderador
mário césar crisóstomo

Projeto gráfico
marcio meirelles

Colaboração no projeto gráfico
camilo fróes

Assessoria de imprensa
cláudia lessa

Fotos
márcio lima

Vídeo
/imagens
amaranta césar
/edição
marcos povoas

Grupo de divulgação
clésia nogueira, elaine nascimento, inaiara ferreira, jorge washington, nildes vieira e s. l. laurentino

Direção de produção
chica carelli

Grupo de produção
auristela sá
cássia vale
érico brás
inaiara ferreira
jorge washington
rejane maia
s. l. laurentino
valdinéia soriano

Elenco
alessandro fernandes - estudante
auristela sá - margarida
cássia vale - fiscal da prefeitura
chica carelli - noêmia
cláudio mendes - segurança
clésia nogueira - cirlene
edgar sacramento - segurança
ednaldo muniz - aurino
elaine nascimento - alzira
eliana negreiro - joseane
érico brás - eusébio
fábio santana - claudionor
inaiara ferreira - joselita
iracema ferreira - estudante
jamile alves - mãe coló
jorge washington - edvan
leno sacramento - leomir
márcio néri - seu josé
nélson filho - bochecha
nildes vieira - vilma
rejane maia - diná
roson oliveira - estudante
s. l. laurentino - nogueira
tatiania santana - dolores
telma souza - enith
valdinéia soriano - mª de lurdes

Realização
bando de teatro olodum
teatro vila velha


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Oxente, cordel de novo?
2003

Oxente, Cordel de Novo? é um espetáculo em que Meirelles homenageia os artistas que ele admirou nas montagens originais de João Augusto. Ao invés de fazer uma colagem ou criar um texto completamente novo, ele monta dez peças de Cordel - nove de João Augusto e uma de Haydil Linhares - divididas em três programas distintos. A cada apresentação de Oxente..., o público poderá conferir um espetáculo diferente e conhecer uma pluralidade de histórias inspiradas na cultura popular.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Textos

(PROGRAMA 1)

ABC DE JOÃO AUGUSTO
de Rodolfo Coelho Cavalvante

DENTRO DE LÁ, DEN'D'ÁGUA
adaptação de João Augusto do folheto "A história do boi leitão ou o vaqueiro que não mentia" de Francisco Firmino de Paula

A CHEGADA DE LAMPIÃO NO INFERNO
adaptação de João Augusto do folheto anônimo "A história completa do grande João soldado" e de "A Chegada de Lampião no inferno" de Rodolfo Coelho Cavalcante

QUEM NÃO MORRE NÃO VÊ DEUS
um ato de João Augusto com versos de Zé Limeira

(PROGRAMA 2)

ABC DE JOÃO AUGUSTO
de Rodolfo Coelho Cavalvante

A BEATA QUE MORDEU A OUTRA COM CIÚME DO VIGÁRIO
adaptação de João Augusto do folheto de Cuíca de Santo Amaro

O ENCONTRO DE CHICO TAMPA COM MARIA TAMPADA
adaotação de João Augusto do folheto homônimo de Erotildes Miranda dos Santos

O MALANDRO E A GRAXEIRA NO CHUMBREGO DA ORGIA
adaptação de João Augusto dos folhetos "O fim do mundo está próximo" de Manoel Tomás de Assis, "O vendedor de rola assada" de Rodolfo Coelho Cavalcante e "O malandro e a piniqueira no chumbrego da orgia" de José Pedro Pontual

AS ARTES DO CRIOULO DOIDO
de João Augusto com a colaboração de Bráulio Tavares

(PROGRAMA 3)

ABC DE JOÃO AUGUSTO
de Rodolfo Coelho Cavalvante

FILISMINA ENGOLE BRASA
adaptação de João Augusto do folheto de Galdino Silva

ANTÔNIO, MEU SANTO
adaptação de João Augusto dos folhetos: "A viúva que amarrou Santo Antônio num foguete para se casar a segunda vez" de Pedro Quaresma e "A moça que pisou Santo Antônio no pilão para se casar com um boiadeiro " de José Martins dos Santos

A FUNÇÃO DO CASAMENTO
um ato de Haydil Linhares

Direção
Marcio Meirelles

Assistente de Direção
Vinício Oliveira Oliveira

Direção musical
Jarbas Bittencourt

Composição e arranjos
Jartbas Bittencourt, com a colaboração de João Meirelles e Saulo Gama

Músicos
João Meirelles e Saulo Gama

Iluminação
Valmyr Ferreira

Coreografia
Zebrinha

Assistente de Coreografia
Augusta Braga

Cenário
Marcio Meirelles, Davi Cavalcanti e Flavio Lopes

Costureiras
Ana Cristina de Oliveira de Araújo
Elizete Sofia da SIlva Santana
Estampagem dos clichês de cordel
Davi Cavalcanti e Flavio Lopes

Estandarte
Marcio Meirelles

Figurino
Biza Vianna

O figurino foi criado e produzido com a OFICINA DE FIGURINO, CRIAÇÃO E FORMAÇÃO TÉCNICA

Concepção e Coordenação Geral
Biza Vianna

Apoio
Cooperativa Mulheres de S. Bartolomeu

Participantes
Anderson Macedo Lima
Bernadete Oliveira Da Cruz
Cláudio Machado
Eliana Negreiro
Gerimias Mendes
Heloisa Castro
Inaiara Ferreira
Isabela Alves
Paulo César Alcantara Bittencourt
Rosangela Gomes
Sarai Santos
Thaís Brandão
Wladia Góes
Workshop de modelagem
Lu Fortunato
Realização da oficina
TEATRO VILA VELHA / THEATRO XVIII
Estampagem dos clichês de cordel
Edinaldo Muniz

Material gráfico
Davi Cavalcanti, Flávio Lopes e Marcio Meirelles

Banner
Davi Cavalcanti e Flavio Lopes

Programa
Marcio Meirelles

Finalização do programa
Tina Guedes

Digitação dos textos de João Augusto
Maria do Carmo Alves de Araújo

Fotos
Márcio Lima

Direção de produção
Chica Carelli

Assistente de produção
Gerimias Mendes

Realização
Bando de teatro Olodum, Companhia dos Novos e Teatro Vila Velha.

Elenco
Auristela Sá
Cássia Valle
Chica Carelli
Edinaldo Muniz
Érico Brás
Fabio Santana
Geremias Mendes
Fernando Araújo
Haydil Linhares
Jorge Washington
Leno Sacramento
Merry Batista
Marisia Motta
Rivaldo Rio
S. L. Laurentino
Valdinéia Soriano


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Relato de uma guerra que (não) acabou
2002


Os espetáculos e ações do Bando de Teatro Olodum têm sempre se norteado pela tentativa de entender a perversão deste mundo, onde ser negro é um problema, ser negro e pobre, quase um destino, e ser vítima da grande violência de um sistema desumano, imposto pela ditadura do mercado, um fato cotidiano. Mais que entender, o Bando está em cena para discutir estas questões. E, mais que isto, por ter a certeza de que este estado de coisas pode ser modificado, estamos no palco para fazer a nossa parte, e cobrar dos outros que também façam a sua.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

O espetáculo Relato de uma Guerra que (não) Acabou foi construído a partir de oficinas realizadas pelos atores do Bando de Teatro Olodum em bairros do subúrbio de Salvador, entre fevereiro e maio de 2002. Sua primeira apresentação - colagem de cenas dos grupos participantes das oficinas - aconteceu no aniversário do Teatro Vila Velha, em 05 de maio de 2002

Texto
Marcio Meirelles

Direção
Marcio Meirelles

Co-direção
Chica Carelli

Coreografia
Zebrinha

Figurino
Marcio Meirelles

Cenário
Marcio Meirelles, com a colaboração de Davi Cavalcanti e de Flávio Lopes

Iluminação
Valmyr Ferreira
Rivaldo Rio

Música
Johann Sebastian Bach (Wir setzen uns mit Tränen nieder / Matthäus-Passion)

Preparação de percussão
Zé Ricardo

Exposição no foyer
Painéis executados ao vivo durante a performance Improvilação, no Teatro Vila Velha, no dia 06 de abril de 2002, pelo NAP (Andres Rubio, Arita Andrade, Darlene Bezerra, Davi Cavalcanti, Flávio Lopes, Gaio, Sara Victória e Yuri Ferraz) e desenhos de Andrés Rubio

Projeto Gráfico
Marcio Meirelles

Divulgação
Contraponto

Fotos
Márcio Lima

Administração do projeto
Chica Carelli

Direção de Produção
Chica Carelli

Assistentes de produção
Ednaldo Muniz
S. L. Laurentino

Realização
Bando de Teatro Olodum / Teatro Vila Velha

Elenco
Adriano Fernandes (China)
Alessandro Barreto (Caveirinha)
Alex Correia Santos (Espinha)
Auristela Sá (Preta)
Bira Santana (Batata)
Cassia Vale (Simone Fernandes)
Cláudio Mendes (Bocão)
Clésia Nogueira (Dandão)
Edgar Sacramento (Abacaxi)
Ednaldo Muniz (Xaréu)
Elaine Nascimento (Ratinha)
Eliana Negreiro (Didiu)
Érico Brás (Tito)
Fabio Cabeça (Minhocão)
Fernando Araujo (Bujão)
Inaiara Ferreira (Marcinha)
Iracema Ferreira (Cris)
Jamile Alves (Marta)
Jorge Washington (César)
Leno Sacramento (Arroz)
Marcio Neri (Cebola)
Nelson Filho (Maneco)
Rejane Maia (Esmeralda)
Robson Oliveira (Cabeça Branca)
S. L. Laurentino (King)
Taís Santos (Rose)
Tatiania Santana (Joaninha)
Telma Souza (Pata)
Valdinéia Soriano (Ro)


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Material Fatzer
2001


No quarto ano de luta, durante um ataque de tanques em Verdum, o soldado Fatzer convence três colegas - Koch, Büsching e Kaumann - a parar de lutar contra eles próprios numa guerra humilhante. Os homens o elegem como um modelo a seguir ao vê-lo decidido em levar a cabo algo que eles também queriam, mas nunca tiveram coragem para fazer.

Resolvidos pela deserção, os quatro se isolam e são dados como mortos, só reaparecendo em 1918, na completa clandestinidade. Diante da constante ameaça de serem descobertos como desertores, têm dificuldades de conseguir alimento. Mesmo assim, decidem não se separar em hipótese alguma, já que a única esperança deles residia numa revolução coletiva do povo para por fim a guerra sem sentido.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Bertot Brecht / Heiner Muller

Tradução
Christine Röhrig

Direção
Marcio Meirelles

Artes Visuais
Arita Andrade
Gaio
Marcio Meirelles

Programação Visual
Luciana Aquino

Música
Ângelo Rafael
Carlos Alberto Augusto
Jarbas Bittencourt
Josinaldo Gomes
Gilmário Celso
Leandro Moraes
Luciano Caroso
Pablo Sotuyo Blanco
Paulo Rocha
Pedro Amorim Filho

Vídeo
Cacilda Povoas
Sofia Federico
Marcos Povoas
Amaranta César
Frederico Vaccarezza

Iluminação
Valmyr Ferreira

Elenco
Cássia Valle
Érico Brás
Fernando Araújo
Jorge Washington
S. L. Laurentino
Valdinéia Soriano
Adriana de Oliveira
Alex Muniz
Carlos de Albuquerque
Carolina Ribeiro
Cell Dantas
Chica Carelli
Cláudio Machado
Clarissa Torres
Fabiana Coelho
Gordo Neto
Iara Colina
João Vicente
Lucci Ferreira
Lucio Tranchesi
Manhã Ortiz
Márcia Lima
Margareth Santos
Pedro Morais
Ronaldo Magalhães
Rosa Espinheira
Rose Oliveira
Rui Manthur
Sandra Lea Oliva
Sandra Matos
Suzana Matta
Vânia Dias
Vinício Oliveira
Virginia Luz
Waldélia Dias

Músicos
Simples Reportagem
Jarbas Bittencourt
João Meirelles
Pedro Amorim Filho


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Já fui!
1999


"A partir de um convite de representantes do Edutran (Departamento de Educação para o Trânsito do Detran-Ba), foi erguida a montagem Já fui!, uma peça encomendada - algo também inédito na história do Bando - visando a uma série de apresentações em associações, empresas, corporações e, sobretudo, escolas, incluindo cidades do interior baiano.

Composta de várias esquetes sobre o comportamento humano no frenético e violento trânsito das vias urbanas, Já fui - gíria que significa tchau, até logo, adeus - desafiou cada ator a interpretar vários personagens, porém sem se prender ao aspecto didático do tema."

Marcos Uzel

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Marcio Meirelles / Bando de Teatro Olodum

Direção
Marcio Meirelles

Assistência de Direção
André Mustafá

Coreografia
Zebrinha

Cenário
Euro Pires

Figurino
Marcio Meirelles

Música
Jarbas Bittencourt

Iluminação
Rivaldo Rio

Realização
Teatro Vila Velha / Programa de Educação para o Trânsito do Edutran - Detran BA

Elenco
Agnaldo Buiú
Arlete Dias
Auristela Sá
Cássia Valle
Ednaldo Muniz
Érico Brás
Gerimias Mendes
Jorge Washington
Lázaro Machado
Lázaro Ramos
Leno Sacramento
Luís Fernando Araújo
Merry Batista
Rejane Maia
Valdinéia Soriano

Estagiários
França
Valdinei
Vanderson
Vinício Nascimento

Substituições
Sérgio Laurentino (substituiu Lázaro Machado)
Vinício Nascimento (Lázaro Ramos)

Músicos convidados
A Banda do Sonho (Dennis Leoni / guitarra, Gilmário Celso / baixo, Jarbas Bittencourt / teclado e voz, Jason Bittencourt / guitarra e Leonardo Bittencourt / bateria
Substituições: Bira Santana, Fábio Santana, Gal Quaresma, Maílson Nascimento, Nelson Filho, S. L. Laurentino e Edgar Sacramento

Substituições
Bira Santana
Fábio Santana
Gal Quaresma
Maílson Nascimento
Nelson Filho
S. L. Laurentino
Edgar Sacramento


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Sonho de uma noite de verão
1999


"Sonho de uma noite de Verão reuniu mais de 30 atores no palco do Vila Velha, na segunda encenação baiana de Márcio Meirelles para uma obra de Shakespeare - a primeira foi Macbeth, em 82, com o grupo Avelãs y Avestruz."

Marcos Uzel

 

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
William Shakespeare

Tradução
Bárbara Heliodora

Direção e figurino
Marcio Meirelles

Coreografia
Cristina Castro

Cenário
Euro Pires

Música
Jarbas Bittencourt

Iluminação
Valmyr Ferreira

Elenco
Agnaldo Buiú (Bicudo / Muro)
Arlete Dias (Hérmia)
Ednaldo Muniz (parte de Oberon)
Jorge Washington (Bobina / Píramo)
Lázaro Machado (Egeu)
Lázaro Ramos (Puck)
Leno Sacramento (Flauta / Tisbe)
Adelmo Pelágio (Demétrio)
Ana Paula Divinal (Helena)
Anita Bueno (Hipólita)
Antônio Soares (Justinho / Leão)
Chica Carelli (Titânia)
Eduardo Pinheiro (parte de Oberon)
Fabiana Coelho (fada)
Franklin Albuquerque (parte de Puck)
Gal Quaresma (fada)
Gordo Neto (Lisandro)
Gustavo Melo (Oberon)
Iara Colina (Helena)
Jansen Nascimento (fada)
Jaciara Dias (fada)
Karina de Faria (fada)
Kita Veloso (fada)
Roberto Brito (Teseu)
Rui Manthur (Quina)
Sara Victoria (Hipólita)
Thaís Villar (Hipólita)
Vinício Nascimento (Fominha / Lua)
Vinício de Oliveira (parte de Puck)
Xanda Xuva (fada)

A Banda do Sonho
Dennis Leoni (guitarra)
Gilmário Celso (baixo)
Jarbas Bittencourt (teclado e voz)
Jason Bittencourt (guitarra)
Leonardo Bittencourt (bateria)

Substituição
Fernando Fulco (Teseu)

UM PEDAÇO DO SONHO

Texto
adaptação de Marcio Meirelles e do Bando de um fragmento de Sonho de uma noite de verão, de Shakespeare

Direção
Marcio Meirelles

Cenário e figurino
Marcio Meirelles

Elenco
Agnaldo Buiú (Bicudo / Murro)
Cássia Vale (Comissão do edital cultural)
Fábio Santana (Sanfona / Tisbe)
Fernando Araújo (Justinho / Leão)
Jorge Washington (Bobin)
S. L. Laurentino (Quina)
Valdinéia Soriano (Comissão do edital cultural)
Vinício Nascimento (Fominha / Lua)

Substituições
Leno Sacramento (Sanfona / Tisbe)
Fábio Santana (Fominha / Lua)


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Ópera de 3 reais
1998


"A idéia de resgatar a peça dois anos depois, dando-lhe outra cara, continuou empolgando os atores, que gostam do texto e se identificam com o teor popular e político da obra. Era como recomeçar algo que merecia ser repensado em nova tentativa, ao invés de morrer na praia e ser arquivado com a sensação de experiência frustrante. Não era mais o mesmo espetáculo, a começar pelo título, que atualizou a moeda e transformou a Ópera de três mirréis (antes, vinténs) na Ópera de 3 reais."

Marcos Uzel

 

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Bertolt Brecht

Música
Kurt Weill

Tradução
Wolfgang Bader
Marcos Santa Roma

Direção
Marcio Meirelles / Chica Carelli

Coreografia
Cristina Castro

Cenário e figurino
Marcio Meirelles

Arranjos e direção musical
Jarbas Bittencourt

Iluminação
Valmyr Ferreira

Direção de vídeo
João Rodrigo Mattos

Produção de vídeo
Celso de Carvalho

Direção de produção
Sibele Américo

Patrocínio
Coelba e Governo do Estado da Bahia, através do Fazcultura, e Projeto Cena Aberta do Ministério da Cultura e do Ministério do Trabalho

Elenco
Agnaldo Buiú (bandido, cantor da Moritat e percussionista)
Arlete Dias (Poly)
Auristela Sá (Lucy e Prostituta)
Cássia Valle (prostituta)
Chica Carelli (Sra. Peachum)
Cristóvão da Silva (Mathias Moeda e Negócio Torto)
Ednaldo Muniz (bandido, mendigo, policial e percussionista)
Gerimias Mendes (mendigo e Reverendo Kimball)
Jorge Washington (Jacó Dedo de Gancho e mendigo)
Lázaro Machado (Sr Peachum e percussionista)
Lázaro Ramos (Mack Navalha)
Leno Sacramento (bandido, mendigo e policial)
Luís Fernando Araújo (mendigo, Smith e percussionista)
Merry Batista (prostituta)
Nauro Neves (bandido e mendigo)
Nildes Vieira (prostituta)
Rejane Maia (a lua, narradora)
Tânia Toko (Fichinha e Neuzão)
Valdinéia Soriano (Jenny)

Ator convidado
Rui Manthur (Brown)

Músicos convidados
André Araújo (piano)
André Borges (sax-tenor e soprano)
Jason Bittencourt (guitarra)


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Um tal de Dom Quixote
1998


"Na adaptação de Márcio, o cavaleiro delira em suas fantasias, mas também esbarra em imagens reais - encenadas pelo Bando - como a opressão policial contra um menino de rua, o drama dos sem-terra, dos sem-teto, a violência contra as mulheres e crimes ecológicos. Trocou-se o ambiente da Espanha do século XVII pelo Brasil às vésperas do século XXI."

Marcos Uze

 

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Marcio Meirelles / Cleise Mendes, com a colaboração do Bando de Teatro Olodum e da Companhia Teatro dos Novos, a partir do original de Miguel de Cervantes

Direção
Marcio Meirelles

Coreografia
Cristina Castro

Cenário
Carl Von Hauenschild

Figurino
Marcio Meirelles

Música
Jarbas Bittencourt

Iluminação
Jorginho de Carvalho

Direção de produção
Sibele Américo

Patrocínio
Copene Petroquímica do Nordeste, Coelba e Governo do Estado da Bahia, através do Fazcultura

Elenco
Agnaldo Buiú
Auristela Sá
Cristóvão da Silva
Cássia Valle
Ednaldo Muniz
Gerimias Mendes
Jorge Washington
Lázaro Machado
Lázaro Ramos (Sancho Pança)
Leno Sacramento
Luís Fernando Araújo
Merry Batista
Tânia Toko
Valdinéia Soriano
Carlos Petrovich (Dom Quixote)
Cristina Castro (Dulcinéia)
Sônia Robatto (Nossa Senhora)

Narradoras
Ângela Andrade
Chica Carelli
Débora Landim
Hebe Alves
Marísia Motta
Sandra Coelho
Tereza Araújo

Amas
Gil Onawale
Kita Veloso
Neyde Moura

Coro
Adelmo Pelágio
Agrimar de Oliveira
Anita Bueno
Augusto Juncal
Carlos Costa
Carmem Moreira
Clarissa Gayão
Fabiana Coelho
Fernanda Fachinetti
Gordo Neto
Iara Colina
Júlia Cordeiro
Karina de Faria
Lucas Valadares
Olívia Borges
Marinho Gonçalves
Marta Leão
Ricardo Fagundes
Rui Manthur
Sara Victória
Sergio Oliveira
Uirá Iracema
Vivianne Laert
Vianna Neto
Zeca Chaves

Músicos convidados
Saulo Gama (piano)
Jason Bittencourt (guitarra e violão)
Karina Seixas (violoncelo)

Substituição
Rejane Maia (Ama)


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Cabaré da RRRRRaça
1997


Em cena, o ponto de vista de diversos personagens negros sobre o que é ser negro no Brasil, discutindo comportamento, religião, sexualidade, profissão, passando por discriminação e posturas políticas.

Criada em 1997, a peça foi lançada com a promoção de meia-entrada para negros, o que gerou grande polêmica e rebuliço na imprensa. Entretanto, como resultado, obteve-se uma platéia 60% negra, diariamente - isso numa cidade onde se tinha notícia de que apenas 1% do público dos teatros era dessa raça.

Cabaré é um musical com estética de desfile de moda, misturada ao formato de um programa de auditório. Sua trilha sonora traz diversos estilos e suas coreografias foram criadas a partir das tradições afro e das danças populares contemporâneas. Os atores trabalham com uma linguagem direta e interagem com a platéia, que colabora com depoimentos verdadeiros sobre situações comuns a elenco e público.

A peça já foi apresentada em diversos estados brasileiros e também passou por Portugal e Angola, sempre se revelando um grande sucesso de público.

Em sua última temporada, em comemoração aos 15 anos do Bando, que estreou em novembro de 2005, o elenco segue com o figurino na cor branca, mas agora cada personagem veste peças exclusivas cedidas por estilistas baianos.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Márcio Meirelles/Bando de Teatro Olodum

Direção
Marcio Meirelles

Co- Direção e Direção de Produção
Chica Carelli

Direção Musical
Jarbas Bittencourt

Coreografia
Zebrinha

Conceito do Figurino:
Márcio Meirelles com a colaboração dos estilistas:
Eddie Savat, Eyde Dantas (Vestir e Arte), Fagner Bispo, Flávia Botelho e Wládia Góes (220 voltz), Gefferson Vila Nova, Goya Lopes, Isabella Vecchietti, Iuri Sarmento e Eduardo Rosa, Luciano Cruz, Luis Santana, Márcia Ganem, Mayara Braga e Nália Portela.

Elenco
Auristela Sá (Flávia Karine)
Cássia Valle (Marilda Refly)
Elane Nascimento (Dandara)
Érico Brás (Luciano Patrocinado)
Fábio Santana (Abará/Nego Fudido)
Gerimías Mendes (Seu Gereba)
Jamile Alves (Negaça)
Jorge Washington (Taíde)
Leno Sacramento (Edmilson/Edileuza )
Marinalva Batista (Dra Janaína)
Rejane Maia (Rosemary)
Ridson Reis (Brogojô)
Sérgio Laurentino (Wensley de Jesus)
Telma Souza (Nega Lua)
Valdinéia Soriano (Jaqueline)

Músico
Daniel Vieira

Técnicos:
Rivaldo Rio (Iluminador)
Ednaldo Muniz (Operador de Som)


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Ópera de três mirréis
1996

"Surgiu, então, a idéia de montar a Ópera de três mirréis, reafirmando a importância política do teatro brechtiano, que nunca quis se fechar no hermetismo. Pelo contrário. Da mesma forma que o inglês William Shakespeare, Brecht sempre escreveu para todos os grupos sociais." (Marcos Uzel)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Bertolt Brecht

Música
Kurt Weill

Tradução
Wolfgang Bader e Marcos Roma Santa

Direção
Marcio Meirelles / Chica Carelli

Dramaturgia
Michaela Visoski

Cenário e figurino
Marcio Meirelles

Direção Musical
Bertold Türke

Assistente de Direção Musical
Jarbas Bittencourt

Coreografia
Cristina Castro

Iluminação
Jorginho de Carvalho

Elenco
Arlete Dias (Poly)
Auristela Sá (Lucy)
Cássia Valle (uma prostituta)
Cristóvão da Silva (Brown)
Gerimias Mendes (Reverendo Kimbal e um mendigo)
Jorge Washington (Jacó, Dedo de Gancho e Jorgete)
Lázaro Machado (Sr. Peachum)
Lázaro Ramos (Matias)
Leno Sacramento (um mendigo e Robert, Baba Ovo)
Luciana Souza (Sra. Peachum)
Luís Fernando Araújo (um mendigo e Tatu)
Melquesedeque Sacramento (um mendigo e Jimmy, Pato Rouco)
Merry Batista (Pepeta, uma prostituta)
Nauro Neves (cantor da Moritat e Smith)
Nildes Vieira (uma prostituta)
Rejane Maia (Narradora, a lua)
Suzana Matta (Jenny)
Tânia Toko (Fichinha)
Valdinéia Soriano (Walterléia, uma prostituta e um mendigo)

Ator convidado
Fernando Fulco (Mack Navalha)

Músicos convidados
Jarbas Bittencourt (violão)
Saulo Gama (piano)


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Erê pra toda vida * xirê
1996

"Os rituais do candomblé, que já haviam inspirado Onovomundo, voltaram a dar base criativa para a realização da nova montagem, que num contexto dramático, mas também poético, quis associar a imagem de cada menor assassinado no massacre do Rio a um orixá." (Marcos Uzel)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Roteiro
Marcio Meirelles

Direção
Marcio Meirelles / Chica Carelli

Direção Coreográfica
Zebrinha

Músicas
Jarbas Bittencourt, José Carlos Capinan e Carlinhos Brown (canção final dos Erês)

Direção Musical
Jarbas Bittencourt

Arranjos para percussão
Bira Monteiro

Cenário
Hélio Eichbauer

Figurino
Marcio Meirelles

Iluminação
Jorginho de Carvalho

Elenco
Arlete Dias (Oxum)
Auristela Sá
Cristóvão da Silva (Omolu)
Edson Escovão (Xangô)
Dinho
Gerimias Mendes (Oxalufã)
Jorge Washington (Exu)
Lázaro Machado (Oxaguiã)
Lázaro Ramos (Oxossi)
Leno Sacramento (Ibeji)
Luciana Souza (Oba)
Melquesedeque Sacramento (Ibeji)
Rejane Maia (Ogum)
Suzana Matta (Nana)
Valdinéia Soriano (Yansã)
Virgínia Rodrigues (Yemanjá)

Músicos convidados
Bira Monteiro
Jackson Costa
Tolete

Participação em Londres
Coral do Black Theatre Co-op (cantando a versão em inglês das canções), as vozes de Antonia Kemi Coker e Wayne Buchannan (gravação do texto em inglês)Beverley Randal, Fábio Santos e Shango Baku (texto de Oxalá em inglês)


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Zumbi está vivo
e continua lutando
1995

"Em novembro de 1995, pouco antes da data oficial dos 300 anos da morte de Zumbi dos Palmares (20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra), uma superprodução saiu do palco e foi ao encontro do grande público. Mais de 120 atores negros, entre profissionais e amadores, encenaram na área livre do Passeio Público a montagem Zumbi está vivo e continua lutando (...)" (Marcos Uzel)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Marcio Meirelles, Bando de Teatro Olodum e Aninha Franco

Direção
Marcio Meirelles

Direção de elenco
Chica Carelli

Coordenação geral e administração do projeto
Ângela Andrade

Direção coreográfica e coreografia
Zebrinha

Cenografia
Bel Borba

Figurinos
Marcio Meirelles e elenco

Bonecos
Teatro de Bonecos Mamulengo

Música
Cícero Antônio

Iluminação
Jorginho de Carvalho

Efeitos especiais
Fritz Gutmann

Patrocínio
Fundação Cultural do Estado da Bahia e Ministério da Cultura

Elenco
Arlete Dias (Arafat)
Auristela Sá
Cássia Valle
Cristóvão da Silva (Soares)
Ednaldo Muniz
Edvana Carvalho
Jorge Washington
Lázaro Machado
Lázaro Ramos (Zumbi)
Merry Batista
Nauro Neves
Nildes Vieira
Rejane Maia
Suzana Matta
Tânia Toko
Valdinéia Soriano (Ângela)
Virgínia Rodrigues

Ator convidado
Mário Gusmão (Gangazumba)

Participações
Dude Santiago
Ara Ketu (alunos da Escola Presidente Humberto de Alencar Castelo Branco e da Escola Doutor Barros Barreto)
Ilê Aiyê (alunos do Colégio Duque de Caxias)
Coral do Gantois (regência do maestro Keiller Rêgo)
Grupo de Dança do Malê Debalê
Banda de Percussão do Gantois (maestro Yuri Passos)
Banda do Apaxes do Tororó
Banda do Ara Ketu
Banda Erê do Ilê Aiyê
Banda do Malê Debalê
Banda Juvenil Olodum


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Zumbi
1995

"O enredo teve como ambiente uma invasão de Salvador, onde Zumbi surge como líder do movimento de resistência à ação da polícia cada vez que os barracos são derrubados." (Marcos Uzel)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Marcio Meirelles / Bando de Teatro Olodum / Aninha Franco

Direção
Marcio Meirelles / Chica Carelli

Coreografia
Zebrinha

Cenário
Marcio Meirelles

Figurino
Bando

Música
Cícero Antônio

Iluminação
Jorginho de Carvalho

Elenco
Arlete Dias (Arafat)
Auristela Sá (Lalu)
Cristóvão da Silva (Amaro / Soares)
Edvana Carvalho (Zuca)
Edinaldo Muniz (Ezede)
Gerimias Mendes (Mateus / Gangazumba)
Jorge Washington (Nicolau)
Lázaro Machado (Mestre João)
Lázaro Ramos (Patrão e, com a saída de Sérgio, acumulou as ações de Zumbi)
Luciana Souza (Gil)
Merry Batista (Deise)
Nauro Neves (Zé)
Rejane Maia (Dan)
Sérgio Amorim (Chico / Zumbi, personagem desapareceu com a saída do ator, ações de Zumbi foram assimiladas por Patrão)
Suzana Matta (Iara)
Valdinéia Soriano (Ângela)
Virgínia Rodrigues (Vardé)

Participações
André Luís (voz da polícia)
Elton Lopes (percussão)
Oswaldo Mil (locução do rádio)


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Bai Bai Pelô
1994

"O diretor Marcio Meirelles (...) costurou a peça com elementos da tragédia clássica, como o coro, as premonições, as coincidências, os acasos, o destino social e o herói, sem abrir mão de uma certa comicidade (mais seca em relação às outras peças da trilogia), considerando que a tragédia não precisa, necessariamente, ir ao encontro do drama psicológico." (Marcos Uzel)

.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Marcio Meirelles / Bando de Teatro Olodum

Direção
Marcio Meirelles / Chica Carelli

Cenário
Marcio Meirelles

Figurino
Bando

Coreografia
Zebrinha

Músicas
Bai, bai, Pelô (Valmyr Brito, Arlete Dias, Jô Nascimento e Rui Poeta), O Bote da Cobra (Ithamar Tropicália e Itamar Santos), Trecho de Bai, bai, Pelô (André Luís e Rejane Maia).

Ritmos de Percusão
Maestro Neguinho do Samba

Iluminação
Jorginho de Carvalho

Elenco
Anativo Oliveira (Peixe Frito)
Arlete Dias (Dona Edna)
Auristela Sá (Berna-Rosa)
Cássia Valle (Dona Raimunda)
Cristóvão da Silva (Negócio Torto)
Ednaldo Muniz (Reginaldo)
Edvana Carvalho (Dona Lúcia)
Gerimias Mendes (Seu Gereba)
Jorge Washington (Soldado Leão)
Lázaro Machado (Marcelo)
Lázaro Ramos (Augusto)
Luciana Souza (Dona Joana)
Merry Batista (Professora)
Nauro Neves (Jorgete)
Nildes Vieira (Amelinha)
Rejane Maia (Baiana)
Rivaldo Rio (Jéferson)
Rony Cássio (Pezinho)
Sérgio Amorim (Brigadeiro)
Suzana Matta (Chandinha)
Tânia Toko (Neuzão da Rocha)
Valdinéia Soriano (Maria)
Virgínia Rodrigues (Comadre da Baian


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Medeamaterial
1993

"Para compor as cenas de Medeamaterial, 30 integrantes - entre eles os convidados Guilherme Leme, para interpretar Jasão, e Adyr d'Assumpção, no papel da Ama de Medéia - abraçaram uma combinação muito peculiar de vivência germânica, tragédia grega, niilismo urbano e afro-baianidade." (Marcos Uzel)

.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Heiner Muller

Tradução
Christine Rörig e Marcus Renaux

Direção
Marcio Meirelles

Assistente de direção
Chica Carelli

Cenário
Hélio Eichbauer

Figurino
Marcio Meirelles

Coreografia
Zebrinha

Música
Heiner Goebbels

Canções do coro
Aloísio Menezes

Participação
Vera Holtz
Guilherme Leme
Banda Mirim do Olodum

Arranjos de percussão
Neguinho do Samba

Iluminação
Jorginho de Carvalho

Patrocínio
Fundação Cultural do Estado da Bahia, Prefeitura Municipal de Salvador e Creme de Leite Alimba.

Elenco
Agnaldo Buiú (filho de Medéia e percussionista)
Aloísio Menezes
Ana Sá
Arlete Dias
Carlos André / Mabaço (filho de Medéia e percussionista)
Cristóvão da Silva
Dedé Maurício
Ednaldo Muniz
Eliete Miranda
Gerimias Mendes
Isabel Marinho
Joaci dos Santos Piau (filho de Medéia e percussionista)
Jorge Washington
Mazé Silva
Marinho Calazans
Nauro Neves
Nildes Vieira
Raquel Rodrigues
Rejane Maia (Medéia Negra)
Rivaldo Rio
Saulo Robledo
Sérgio Braga
Sérgio Amorim
Suzana Matta
Tânia Toko
Jubiracy Machado
Valdinéia Soriano

Atores convidados
Adyr D'Assumpção (Ama)
Guilherme Leme (Jasão)
Vera Holtz (Medéa)

Músicos convidados
Hendrik Lorenzen
Murilo Muniz


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Woyzéck
1993

"Estruturada em cenas curtas com diálogos tensos, Woyzeck parece buscar a interiorização da opressão. O caráter social da montagem - o protagonista sofre todo tipo de humilhação civil e militar - foi permeado por contornos de humor e ironia dentro da habitual linha de comicidade do Bando de Teatro Olodum, casada com a busca pela experimentação." (Marcos Uzel)

.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Georg Büchner

Tradução
Mário da Silva

Direção
Marcio Meirelles

Co-direção
Chica Carelli

Cenário e figurino
Marcio Meirelles

Coreografia
Leda Ornelas

Músicas compostas para o espetáculo
Homem bom, Natureza escura e A voz do vento (Sérgio Souto) e Era uma vez (Aloísio Menezes)

Outras músicas
A ver navios (Valmir Brito e Roque de Carvalho), Reggae Odoiá (Bira Reis), Jeito Faceiro (Jauperi e Pierre Onassis), Sempre Assim (Paulo Jorge), Cara caramba (Marquinhos, Germano Meneguel e Pierre Onassis), Diamante Negro (Marquinhos), Poster nagô (Luciano Gomes), Segredo da cor (Fábio Santos) e Magnificat (música do movimento Focolares).

Arranjos para percussão
Neguinho do Samba

Direção musical
Sérgio Souto

Iluminação
Jorginho de Carvalho

Elenco
Aloísio Menezes (Andrés)
Arlete Dias (Dono da tenda na feira)
Cássia Valle (Dona do bazar)
Cristóvão da Silva (Woyzeck)
Dedé Maurício (Karl, o idiota)
Ednaldo Muniz (Suboficial)
Eliete Miranda (Maria)
Fábio Santos (Apresentador)
Gerimias Mendes (Capitão)
Jorge Washington (Tambor)
Luciana Souza (Doutor)
Merry Batista (Margret)
Nauro Neves (Capitão)
Nildes Vieira (Kaethe)
Nilton Rangel (Doutor)
Orlando Martins (Woyzeck)
Raquel Rodrigues (Margret)
Rivaldo Rio (Karl, o idiota)
Sérgio Braga (Andrés)
Rejane Maia (Velha)
Valdinéia Soriano (Maria)
Obs.: Os atores se revezavam, em dias alternados, nos papéis.

Participação
Banda Mirim Olodum


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Ó Paí, Ó!
1992 / 2001 / 2007

O espetáculo desenvolve uma história em torno de alguns habitantes do pelourinho. Os velhos personagens de Essa é nossa praia (Primeiro espetáculo do grupo) voltam ao palco acompanhados de novos tipos.

O ambiente é um cortiço onde se instalam uma loja, um bar e algumas famílias, nesta montagem se discute problemas como o modismo da benção, a questão do extermínio de menores, discriminação, pobreza, exploração entre outros temas.

.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Marcio Meirelles e Bando de Teatro Olodum

Direção
Márcio Meirelles

Co-direção e Direção de Produção
Chica Carelli

Coreografia

Zebrinha

Música e direção musical

Jarbas Bittencourt

Cenário
Marcio Meirelles

Iluminação
Rivaldo Rio

Cenário e Figurino

Márcio Meirelles e Zuarte Junior

Elenco
Arlete Dias – Mary Star – aspirante a cantora
Auristela Sá – Carmem– lavadeira e que realiza abortos
Cássia Valle – Dona Raimunda - a vidente
Cell Dantas – Marcelo – militante negro
Clésia Nogueira – afilhada de Neuzão
Ednaldo Muniz – Roberto pitanga, compositor e funcionário do IPAC
Elane Nascimento – Dona Lúcia – vendedora da loja de seu Gereba
Érico Brás – Reginaldo – o taxista
Fábio Santana – Peixe Frito
Gerimias Mendes – Seu Gereba
Jamíle Alves – Psilene
Jorge Washington – Sr. Matias - vendedor de quiabo
Leno Sacramento – Maicon Gel
Merry Batista – Dona Joana – proprietária do cortiço
Rejane Maia – a baiana de acarajé
Rídson Reis – Raimundinho - sobrinho de dona Raimunda
Robson Mauro – Lord Black - o guia turístico
Sergio Laurentino – o guarda
Telma Souza – Neuzão
Valdinéia Soriano – Dona Maria, esposa de Reginaldo

Atores Convidados
Amós Heber – Iolanda - travesti
Ruth Marinho- Professora

Músicos:

Maurício Lourenço
Nine


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

A Volta Por Cima
1992

"Na Mangueira, os baianos exibiram uma versão síntese de Essa é nossa praia chamada "A volta por cima", apresentada uma única vez em Salvador na reabertura do Liceu de Artes e Ofícios da Bahia." (Marcos Uzel)

.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Marcio Meirelles / Bando de Teatro Olodum

Direção
Marcio Meirelles / Chica Carelli

Coreografia
Leda Ornelas

Músicas
Olodum

Arranjos para percussão
Neguinho do Samba

Criado para a reinauguração do Liceu de Artes e Ofícios, a peça era uma versão reduzida, para espaços abertos, de Essa é nossa praia. Apresentava a história de Maria de Bonfim tentando achar um lugar para ter o seu filho. Ao contrário do espetáculo que lhe deu origem, terminava como um auto de Natal, com o nascimento do menino, filho Maria de Bonfim - a possibilidade de mudança.
O elenco e a escala de personagens eram os mesmos de Essa é nossa praia, apesar de nem todos os personagens aparecerem na versão reduzida.
No espetáculo de estréia, também participaram: Banda Mirim Olodum, Banda Ghandi Erê, Ilu Batá, Cia de Dança do Olodum e Ternos de Reis.


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

O Novo Mundo
1991

"Na busca de uma aproximação maior com o candomblé, o Bando se voltou para o passado no seu segundo trabalho, levando ao palco o espetáculo Onovomundo, que, curiosamente, estreou no mesmo período da segunda visita do Papa ao Brasil." (Marcos Uzel)

.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Marcio Meirelles / Bando de Teatro Olodum

Direção
Marcio Meirelles / Chica Carelli

Cenário e figurino
Marcio Meirelles

Coreografia
Leda Ornelas

Músicas
Sérgio Souto, Aloísio Menezes e Marcio Meirelles

Arranjos para percussão
Neguinho do Samba

Direção Musical
Sérgio Souto

Iluminação
Jorginho de Carvalho

Direção de produção:
Maria Eugênia Milet

Elenco
Aloísio Menezes
Anativo Oliveira
Armando Costa
Cássia Valle
Cristóvão da Silva
Dedé Maurício
Ednaldo Muniz
Edvana Carvalho
Eliete Miranda
Floriano Barbosa
Gerimias Mendes
Jorge Washington
Fábio Santos
Luciana Souza
Laudio Dourado
Mazé Silva
Merry Batista
Nauro Neves
Nildes Vieira
Nilton Rangel
Orlando Martins
Raquel Rodrigues
Rejane Maia
Rita Santos
Rivaldo Rio
Sérgio Braga
Tânia Toko
Tânia Oliveira
Valdinéia Soriano

Substituições
Arlete Dias (entrou no elenco depois)

Participação
Banda Mirim Olodum


FOTOS • MATERIAL GRÁFICO

Essa é nossa praia
1991 / 2004

"Em Essa é nossa praia, ganharam inspiração dramatúrgica temas como os choques culturais entre a igreja evangélica e os adeptos do candomblé; o militante negro engajado na luta contra a discriminação racial; a ideologia do embranquecimento, (...); a importância das associações de mulheres na batalha por melhores condições de vida; a maternidade e a relação conjugal; o tráfico de drogas, a marginalidade e a prostituição; o sonho de ser artista, (...); a violência e a corrupção policial; o bate-boca cotidiano da vizinhança; e o dia-a-dia suado do gari que queria ter um salário mais digno para poder dar uma vida melhor aos seus filhos". (Marcos Uzel)

.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Texto
Marcio Meirelles/ Bando de Teatro Olodum

Direção
Marcio Meirelles/ Chica Carelli

Cenário
Marcio Meirelles

Figurino
Bando de Teatro Olodum

Coreografia
Leda Ornelas

Músicas
Uteú (Sérgio Souto), Raça Negra (Valmir Brito e Gibi), Onisaurê (música sacra do candomblê - domínio público), Olodum no balanço das águas (Reni Veneno) e Protesto Olodum (Tatau)

Arranjos para percussão
Neguinho do Samba

Direção de Produção
Maria Eugênia Milet

Elenco
Anativo Oliveira (Pastor)
Antônio Capinan (Guarda)
Arlete Dias (Maria de Bonfim)
Dedé Maurício (Marcelo)
Edilson Bispo (Vai Lavar, personagem que desapareceu com a saída do ator)
Ednaldo Muniz (Roberto Pitanga)
Edvana Carvalho (Dona Lúcia)
Fábio Santos (Severino Lixeiro, personagem que desapareceu com a saída do ator)
Gerimias Mendes (Seu Gereba)
Jorge Washington (Seu Matias)
Eliete Miranda (Dona Maria, personagem substituído por Chandinha, com a saída da atriz)
Luciana Souza (Dona Joana)
Mazé Silva (Moncherri, personagem que desapareceu com a saída da atriz)
Mira Gomes (Prostituta, ações do personagem foram assimiladas por Amélia, com a saída da atriz)
Nauro Neves (Lord Black)
Nildes Vieira (Amélia)
Orlando Martins (Ratinho, personagem substituído por Brigadeiro, com a saída do ator)
Reinaldo Borges (Viadinho do Padre, personagem que desapareceu com a saída do ator)
Rejane Maia (Baiana)
Rita Santos (Bibelô)
Rivaldo Rio (Pintor)
Valdinéia Soriano (Maria)
Dois integrantes da Banda Mirim revezavam-se no papel de filhos de Dona Joana

Substituições
Agnaldo Buiú (Picó, personagem criado com a entrada do ator no grupo)
Auristela Sá (Bibelô)
Cássia Valle (Bibelô e Maria)
Cristóvão da Silva (Guarda)
Láudio Dourado (Guarda)
Lázaro Machado (Marcelo)
Lázaro Ramos (Picó)
Merry Batista (Professora, personagem criado para Ó Pai, Ó!, foi incorporado ao espetáculo)
Sérgio Amorim (Brigadeiro, personagem, criado em Bai bai Pelô, que substituiu Ratinho)
Suzana Mata (Chandinha, personagem criado em Bai bai Pelô, que substituiu Dona Maria)
Tânia Kayali (Bibelô)
Valdinéia Soriano (Lúcia)

Participação
Banda Mirim do Olodum

-----

Remontagem de 2004

O espetáculo foi recriado a partir de oficinas ministradas pelos atores
Auristela Sá
Ednaldo Muniz
Érico Brás
Gerimias Mendes
Jorge Washington
Leno Sacramento
Merry batista
Nildes Vieira
Rejane Maia
Valdinéia Soriano

Direção
Marcio Meirelles

Co- direção
Chica Carelli

Direção Musical
Jarbas Bittencourt

Texto
Marcio Meirelles/Bando de Teatro Olodum

Cenografia e figurino
Marcio Meirelles

Iluminação
Espírito Santo e Rivaldo Rio

Direção de Produção
Chica Carelli

Elenco
Alessandro Barreto
Auristela Sá
Clésia Nogueira
Edgar Sacramento
Ednaldo Muniz
Elaine Santana
Eliana Negreiro
Érico Brás
Fabio Cabeça
Fernando Araújo
Geremias Mendes
Inaiara Ferreira
Iracema Ferreira
Jamile Caldas
Jorge Washington
Leno Sacramento
Marcio Néri
Merri Batista
Nelson Filho
Nildes Vieira
Rejane Maia
Robson Oliveira
Sérgio Laurentino
Tatiania Santana
Telma Souza
Valdinéia Soriano

O espetáculo foi remontado com apoio do convênio do Bando de Teatro Olodum com a Fundação Palmares