Observatório



Break Fighting

No hay traducciones disponibles.

Observatorio9

Leia mais


Ninguém quer ser papaya...

No hay traducciones disponibles.

Observatorio8

Leia mais



DNA-DANÇA

No hay traducciones disponibles.

Expo_Caryb_-_SITE_2

Leia mais



Los retos actuales de la danza

No hay traducciones disponibles.

Observatorio4Guillermo Heras escreve sobre os atuais desafios da dança

Leia mais


Disparidades do gesto e ‘Staff’

No hay traducciones disponibles.

La_Intrusa_-_SITE

Leia mais



Violência e Eros no Butoh-MA de Tadashi Endo

No hay traducciones disponibles.

Oservatrio4Durante workshop, o artista japonês compartilhou suas experiências e entendimento da relação entre vida e morte, e criou conexões possíveis com outras formas de arte.

Leia mais


Odio la Danza

No hay traducciones disponibles.

Observatrio3Texto de Jorge Parra (Encontro Nacional de Danza “Fragmentos de Junio”/Equador) sobre a dança

Leia mais


Fricção - teatro de operações

No hay traducciones disponibles.

b2

Leia mais


Calendário, pra que te quero?

No hay traducciones disponibles.

antonio-nobrega-por-joao-meirellesO dia e o mês dedicados à Dança devem estimular ações e reflexão sobre o seu campo de trabalho.

Leia mais


Observatório

No hay traducciones disponibles.

vivadana_branca

Um espaço para troca de idéias, associações, reflexões, posicionamentos e contraposições.

Leia mais


Isso Aqui não É Gotham City... Tudo bem... Mas ainda somos nós...
No hay traducciones disponibles.

Observatorio6 Observatorio6São mesmo esses tempos de remidiações (da lavra dos gringos Bolter e Grusin). Remidiações e diálogos entre linguagens.

 

Isso Aqui Não É Gotham City, do 1º Ato, grupo de dança mineiro, dirigido por Suely Machado, vai fundo numa pesquisa que busca trazer para a cena, pelo dramático que dança, em fina “transubstanciação” (lá das bandas do dramaturgo Alcione Araújo), o que as HQs, o desenho animado e o cinema promovem na sua praia.

 

O grande barato, além da narrativa que prende, do preciosismo das caracterizações, de uma luz cênica perita em destacar o corpo na sutileza do gesto, é ver que, indiscutivelmente, com licença de Tarkovski, todos “esculpem o tempo” à sua maneira. E daquele tempo fílmico, a pontuar delays providenciais sobre a emoção do espectador, teatro e dança, íntimos que são do movimento, dão ali um show de recursos afins e transcendentes... muito além do tempo e da geografia... A narrativa, ou seja, o que de específico guarda cada linguagem, sem dúvida, “puxa a fábula” (das idéias de André Setaro). Só vendo para crer.

 

Qual seria o objetivo de tamanha montagem? Creio eu, no final das contas, que a arte sempre vem para ressaltar o trabalho valioso que o imaginário humano sabe fazer como ninguém. Em tempos de tantos efeitos especiais e imagens repetidamente exaustas, ainda sabemos imergir, mergulhadores que somos, com profundidade, pelas mãos do outro ser humano... Sempre, sempre, sempre, que bom... Um criador de histórias.

 

Sérgio Cerviño Rivero é leitor desse mundo de Meu Deus.

 

*Foto: João Meirelles