Observatório



Break Fighting

No hay traducciones disponibles.

Observatorio9

Leia mais


Ninguém quer ser papaya...

No hay traducciones disponibles.

Observatorio8

Leia mais



DNA-DANÇA

No hay traducciones disponibles.

Expo_Caryb_-_SITE_2

Leia mais



Los retos actuales de la danza

No hay traducciones disponibles.

Observatorio4Guillermo Heras escreve sobre os atuais desafios da dança

Leia mais


Disparidades do gesto e ‘Staff’

No hay traducciones disponibles.

La_Intrusa_-_SITE

Leia mais



Violência e Eros no Butoh-MA de Tadashi Endo

No hay traducciones disponibles.

Oservatrio4Durante workshop, o artista japonês compartilhou suas experiências e entendimento da relação entre vida e morte, e criou conexões possíveis com outras formas de arte.

Leia mais


Odio la Danza

No hay traducciones disponibles.

Observatrio3Texto de Jorge Parra (Encontro Nacional de Danza “Fragmentos de Junio”/Equador) sobre a dança

Leia mais


Fricção - teatro de operações

No hay traducciones disponibles.

b2

Leia mais


Calendário, pra que te quero?

No hay traducciones disponibles.

antonio-nobrega-por-joao-meirellesO dia e o mês dedicados à Dança devem estimular ações e reflexão sobre o seu campo de trabalho.

Leia mais


Observatório

No hay traducciones disponibles.

vivadana_branca

Um espaço para troca de idéias, associações, reflexões, posicionamentos e contraposições.

Leia mais


Fricção - teatro de operações
No hay traducciones disponibles.

b2

Observatório 2Nesse momento, a sociedade contemporânea vivencia a experiência de uma guerra interminável, que não mais se dá no conjunto dos países como na 1ª e 2ª Guerra, estágio ultrapassado do guerrear, mas na permanência da uma guerra fragmentada e contínua espalhada por todos os continentes. Embora, alguns conflitos bélicos ganhem destaque e conhecimento mundial, sobrevive às escuras uma miríade de pequenos conflitos nos confins do globo e sem projeção midiática. Estes não alcançam o status de notícia globalizada, salvo se apresentam algum massacre que sirva para a boa consciência dos sem-guerras.

 

Para a maioria dos cidadãos contemporâneos, a arte da guerra é completamente desconhecida e mesmo as suas atualizações estratégicas e tecnológicas nos passam despercebidos, pois este é um saber para especialistas. Entretanto, sofremos outro tipo de guerra: o bombardeio incessante de imagens midiatizadas e espetaculares desses conflitos. Por mais distantes que pareçam, devido ao estágio cultural tátil em que vivemos, suas imagens nos assediam. Essa é nossa única e interminável guerra: o convívio conflituoso com essas imagens de horror que se impõem como pão nosso de cada dia. O ambiente das imagens reprodutíveis, descontextualizadas, circulando sem fim, de tela em tela, é o nosso front e o desafio que se impõe será interpretá-las, interpelá-las com todas as armas que pudermos agenciar. Do contrário estaremos submetidos a esse regime de imagens frias de medo e violência.

 

O trabalho de dança Fricção, de Isaura Tupiniquim, pretende se inserir de uma maneira renovada nessa peleja, apresentando suas armas concebidas esteticamente. Quer mostrar que esse processo de decodificação e desafio frente a essas imagens não só está em andamento, mas que será impossível nos furtamos ao embate. O campo estético em que ele se encontra e se movimenta é o da reapropriação das imagens bélicas, flagrando-as em associações que antes nos eram estranhas: belicismo, erotismo, corporalidade, dança, performance... Antes de uma vitória ou do campo pacificado e triste de uma derrota, a obra se coloca em suspensão e risco, instaurando um campo de luta ou, como no jargão bélico, um teatro de operações, quando a performer em sua simulação estética joga com nosso próprio destino, a saber, o enfrentamento solitário dessas imagens terríveis.

 

Washington Drummond é doutor em Arquitetura e Urbanismo, mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Professor-Colaborador do Programa de Pós Graduação em Crítica Cultural – UNEB, Pesquisador Colaborador do Programa de Pós Graduação da FAU-UFBA.

 

*Imagem do artista plástico Hans Bellmer (1902 - 1975)